quarta-feira, 8 de maio de 2013

Monte Verde: friozinho e aconchego

Pôr do Sol em Monte Verde

Queria conhecer Monte Verde fazia tempo e tive a chance em agosto de 2012. Queríamos curtir um friozinho e fazer uma viagem mais sossegada e tivemos a indicação de um casal de amigos sobre uma pousada bacana e com preço justo. Fomos e nos encantamos. Eu estava com medo de Monte Verde ter aquela afetação tipicamente burguesa, de Campos do Jordão, já que a proposta das duas cidades são parecidas, mas não. Monte Verde (ainda) preserva uma simplicidade e um clima de interior, que é o que buscamos, quando saímos de São Paulo.
A cidade é um daqueles lugarezinhos intrigantes, onde não se tem (quase) nada pra fazer, mas que não dá vontade de ir embora. O centro, em si, tem uma única rua. Mas que rua charmosa! Cheia de restaurantes, bares, lojinhas e mercadinhos. Nos arredores, inúmeras trilhas com visuais incríveis pra Serra da Mantiqueira. Garantia de um fim-de-semana tranquilo e prazeroso.

Monte Verde, jantarzinho e lareira

Chegamos na cidade já à noite e famintos. Passamos pela rua principal e decidimos parar ali mesmo pra jantar, antes de ir pra pousada e nos surpreendemos com  a tranquilidade do lugar. A rua estava vazia e muitos restaurantes fechados. Pensei que fosse pelo frio, pois o termômetro batia os 5oC, mas no dia seguinte descobrimos que os turistas só chegam mesmo no sábado, quando essa ruazinha fica bem movimentada e vira um burburinho.
Achamos um restaurante agradável, com uma banda que tocava Beatles e nem pensamos duas vezes antes de entrar. Comi um risoto delicioso, ouvimos boa música e seguimos pra pousada.
Monte Verde
Restaurante Café Pinhão

Chegamos na pousada e adoramos! Simples, mas de bom gosto e muito confortável. Apesar do cansaço, não resistimos de acender a lareira. Não só pra esquentar, mas pela bagunça mesmo. Bem gostoso.
Lareira na pousada, em Monte Verde
Lareira da pousada

Trilha do Pinheiro Velho de Monte Verde

Acordamos sem saber muito o que faríamos. Fomos pro centrinho e andamos por lá, sem rumo. A cidade parecia outra: cheia de gente pelas ruas, carros, movimento. Descobrimos  uma pequena trilha, por trás da rua principal, chamada de Trilha do Pinheiro Velho e seguimos por ela. Bem agradável e muito tranquila. O caminho começa logo na rua principal e passa por trás da cidade, chegando no aeroporto, considerado o mais alto do Brasil, mas que é, em realidade, uma pista de terra apenas. De lá, tem-se uma vista geral da pequena cidade.
Trilha do Pinheiro Velho, em Monte Verde
Início da trilha do Pinheiro Velho

Monte Verde
Vista panorâmica de Monte Verde

Aeroporto de Monte Verde
Aeroporto de Monte Verde

Terminamos essa trilha em menos de uma hora e resolvemos contratar um passeio com carro tracionado para fazer as trilhas mais distantes. Fizemos com uma micro-agência de turismo e não foi ruim, mas o nosso motorista tentou nos enrolar pra caramba. O garoto era um figuraça e, no fim, foi até divertido, mas ficou claro que poderíamos ter feito a maior parte do trecho com nosso próprio carro. O passeio começou com uma parada na Fábrica de Chocolate e depois numa pousada que tem esquilos (aliás, não vimos nenhum e acabamos vendo um monte na nossa própria pousada), um trutário bem meia-boca e, enfim, as trilhas. Supostamente, faríamos duas: Chapéu do Bispo e Platô.
A primeira começa junto da trilha da Pedra Redonda e Pedra Partida, mas é bem menor e mais fácil. O problema é que não fizemos até o final, porque nosso guia literalmente nos enrolou. Chegamos até o primeiro mirante e voltamos. Achei que tinha algo estranho, mas não conhecia a região e acabei me deixando levar. O visual desse mirante é interessante, mas não tem nada de muito especial. Pelo que vi (depois) em fotos, o Chapéu de Bispo mesmo é bem mais legal.

Trilha para o Chapéu do Bispo, em Monte Verde
Mirante no caminho para o Chapéu de Bispo

Platô, o pôr do Sol mais lindo de Monte Verde

Descemos a trilha e fomos direto para o Platô. O plano era assistir o Pôr do Sol de lá e esse foi o ponto alto da viagem. Compensou até mesmo a enrolação anterior do guia. A trilha é bem íngreme, principalmente no final, mas vale o esforço.

Pôr do Sol em Monte Verde

Pôr do Sol em Monte Verde


Pôr do Sol em Monte Verde


Pôr do Sol em Monte Verde


Ficamos até a última gotinha de Sol e fomos encantados com o lugar.
À noite, fomos conhecer a famosa Cervejaria do Fritz, que faz uma cerveja artesanal bem boa. É ponto obrigatório de quem vai à Monte Verde.

A manhã de domingo já começou com surpresa no café-da-manhã. Enquanto o dono da pousada, ouvia bossa nova em disco de vinil, recebemos a visita de um simpático esquilinho. 
Esquilo, em Monte Verde
Esquilo na varanda da pousada
Aliás, a pousada merece destaque. Chama-se Locanda Belvedere e foi uma grata surpresa a qualidade e atendimento lá. Gostei muito mesmo.

Trilha da Pedra Redonda

Saímos da pousada e seguimos pra mais uma trilha: a Pedra Redonda. Dessa vez, fomos sem guia e nos demos conta que poderíamos fazer todo o circuito sozinhos. Aprendemos a lição.
A trilha para a Pedra Redonda tem 900m e é uma subida relativamente tranquila, com alguns trechos mais íngremes. No caminho, passamos por mirantes que dão para a Serra da Mantiqueira.
Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde
Trilha da Pedra Redonda

Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde
Mirante 
Depois de cerca de uma hora de caminhada, chegamos no pico da pedra e o visual lá de cima é deslumbrante. Vê-se de um lado o vilarejo de Monte Verde e do outro as cidades de São Francisco Xavier e São José dos Campos, já no estado de São Paulo.


Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde
Vista da Pedra Redonda

Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde


Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde
Pedra Redonda
Ficamos bastante tempo lá curtindo o visual e brincando de eco, pois a voz lá ecoa muito. Chegamos a trocar palavras com um grupo que estava na parte debaixo da trilha. Foi divertido.
Descemos a trilha e voltamos pra pousada.
Era hora de arrumar as malas e ir embora, mas antes fizemos um dos programinhas mais românticos do lugar: jantamos num restaurante que serve rodízio de fondue. Comemos bem, recordando do fim-de-semana delicioso e voltamos pra casa com as energias recarregadas.

Mais fotos:

Araucárias em Monte Verde
Araucárias

Pôr do Sol, em Monte Verde
Platô


Queijo derretido na lareira da pousada

Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde
Pedra Redonda

Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde

Monte Verde
Trilha do Pinheiro  Velho

Monte Verde
Pousada

Monte verde
Araucária

Trilha da Pedra Redonda, em Monte Verde
Mirante no caminho para a Pedra Redonda

2 comentários:

  1. Vixi, to indo pra lá. Pode me dizer o nome da agência para passar longe desse guia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriela, nem anotei de tão ruim que foi! rs
      Mas minha dica pra você curtir Monte Verde é: não contrate nenhuma agência, pois é totalmente possível chegar aos lugares com carro de passeio (e, depois, trilha! rs).
      Beijos

      Excluir