segunda-feira, 3 de junho de 2013

Rota das Emoções: Fortaleza, Taíba e Águas Belas

Pela Rota das Emoções:Fortaleza

Fizemos essa viagem em maio de 2013 com um pretexto: visitar parentes em Fortaleza e São Luis. Mas planejando os detalhes, logo veio a ideia: por que não fazer o trecho completo, incluindo Jericoacoara, Parnaíba, lençóis maranhenses e outros lugarejos no caminho? Foi assim que decidimos fazer a Rota das Emoções, roteiro ainda pouco conhecido, mas cheio de riquezas, belezas e histórias de um povo sofrido e guerreiro. Foram cinte e dois dias de descobertas, encontros e deslumbramentos que me marcaram profunda e definitivamente
Começamos a aventura por Fortaleza. Já conhecíamos a cidade e algumas de suas praias mais famosas (Canoa Quebrada, Morro Branco, Praia das Fontes e outras), por isso optamos por um roteiro mais tranquilo pra conhecer lugares que ainda não havíamos conhecido e ter tempo de ficar com a família. Foram dias amenos e uma prévia do que ainda estaria por vir nos (intensos) dias que se seguiriam até a chegada em São Luis.


Fortaleza

Domingo, dia das mães e dia de ficar com a família. 
Antes do almoço, aproveitamos o tempo ocioso pra dar uma volta. O mar de quase todas as praias em Fortaleza não é próprio pro banho e apenas caminhamos pelo calçadão do Meireles até o Mucuripe, sem poder entrar na água, apesar do calor escaldante. A praia do Meireles é uma das mais turísticas  da cidade com barracas na orla e com uma feirinha de artesanato, que sempre está cheia de gente comprando. Já o Mucuripe é uma colônia de pescadores, portanto, mais simples, com uma  feira onde são vendidos peixes, lagostas, camarões, caranguejos e, apesar de sempre ter turistas, não fica tão cheia, como no Meireles. Como passamos lá no domingo, dia de folga dos pescadores, encontramos vários deles, sentados embaixo das árvores, bebendo, jogando cartas e cantando (um grupo, inclusive,  fazia uma excelente batucada com um balde de plástico).

Mucuripe, em Fortaleza, no caminho pela Rota das Emoções
Mucuripe

Mucuripe, em Fortalez, no início da Rota das Emoções
As velas do Mucuripe
Voltamos já na hora do almoço e saímos de casa apenas no fim da tarde, dessa vez na direção oposta ao passeio da manhã: rumamos para a Praia de Iracema. A ideia era ir a pé, mas optamos por pegar um ônibus pra não perdermos o famoso pôr do Sol, na Ponte dos Ingleses. Enfim, conseguimos chegar a tempo de curtir os últimos raios do Sol do nosso primeiro dia em terras cearenses.

Pôr do Sol na Ponte dos Ingleses, em Fortaleza, no início da Rota das Emoções
Pôr do Sol na Ponte dos Ingleses

A Ponte dos Ingleses é uma construção de 1921, feita por uma empresa britânica para substituir a antiga Ponte Metálica (localizada logo à frente) e supostamente serviria de porto, entretanto, a obra nunca foi finalizada e apenas em 1994 passou a ser utilizada, como passeio público.
Pôr do Sol na Ponte dos Ingleses, em Fortaleza, no início da Rota das Emoções
Ponte dos Ingleses
Próximo a ponte, está encalhado o Navio Mara Hope, abandonado ali desde 1983, quando ficou à deriva e foi levado pela maré desde o Mucuripe até a Praia de Iracema, onde ficou preso, num banco de pedras. Hoje, o Mara Hope já faz parte da paisagem da cidade.

Pôr do Sol na Ponte dos Ingleses, em Fortaleza, no início da Rota das Emoções
Pôr do Sol, na ponte metálica
Pôr do Sol na Ponte dos Ingleses, em Fortaleza, no início da Rota das Emoções
Navio Mara Hope

Voltamos já de noite, passeando pela orla, com uma brisa bem agradável. No caminho, tomamos um sorvete da 50 sabores, chamado qualquer coisa (Cajá com bolacha de maizena), que é delicioso e terminamos o dia com uma cervejinha, numa das barracas da praia. Nada mal pra começar bem a viagem.

Taíba

Alugamos um carro na LocaBuggy e a idéia era ir pra Mundaú, que fica a 147km de Fortaleza. O problema é que a locadora não tinha opção de quilometragem livre e só teríamos 150km no dia. Para Mundaú gastaríamos quase isso só pra chegar. Acabamos mudando os planos e fomos pra uma praia mais próxima e pouco conhecida: Taíba, a cerca de 80km de Fortaleza, pela estrada Ce-085 (uma estrada bem esburacada e cheia de radares). Mas não me arrependi. O lugar é lindo.
Taíba faz parte do município de São Gonçalo do Amarante e é uma pequena vila de pescadores, que começou a receber turistas a pouco tempo e antes vivia basicamente da pesca.
Na chegada, subimos num mirante, com uma vista panorâmica da vila e de uma usina eólica, que fica bem na entrada do vilarejo. Já deu pra sentir o clima calmo daquele lugar.
Pela Rota das Emoções, na Praia de Taíba, no Ceará.
Praia de Taíba

Chegamos na praia e a sensação era de que ela era só nossa. Não havia mais ninguém. Talvez por ser uma segunda-feira; talvez por ser pouco frequentada mesmo. Reparei que tinha alguma sujeira na areia e deduzimos que na véspera poderia ter passado gente por lá, mas naquele dia estava deliciosamente deserta.
Taíba é conhecida por sua piscinas naturais, que se formam na maré baixa, bem na beira do mar e nessas piscinas nasce um verdadeiro aquário: peixinhos de várias cores, sirizinhos e conchas com moluscos que nem sei o nome. Um encanto.

Piscinas naturais em Taíba, na Rota das Emoções
Piscinas Naturais em Taíba

Pela Rota das Emoções, em Taíba

Ficamos bastante tempo na praia e, depois, seguimos para conhecer o resto da vila. Passamos pelo Porto das  Jangadas, onde um grupo de pescadores nos olhavam, como se fossemos de outro planeta, afinal quem seriam aqueles dois perdidos ali?
Porto das Jangadas de Taíba, na Rota das Emoções
Porto das Jangadas
 Lá mesmo, perguntamos aos pescadores algum restaurante na região e eles nos indicaram o Restaurante da Dona Amélia. Seguimos pra lá e foi uma ótima surpresa: peixinho delicioso e barato.
De lá, fomos para um lugar indicado pelo filho da Dona Amélia: umas grutas, bem na praia, que só aparecem na maré baixa. O lugar é bonito, mas não empolgamos muito.
Grutas de Taíba, na Rota das Emoções
Grutas de Taíba
Não ficamos muito tempo lá e seguimos pro ponto alto do dia: o falso encontro do Rio Anil com o mar. Falso, porque o rio não consegue chegar ao mar, devido a uma duna que se interpõe entre os dois e impede a sua desembocadura.
O caminho até lá não é sinalizado e precisamos do GPS para chegar. Quando chegamos, o visual foi de tirar o fôlego: o rio correndo entre as dunas e o mar, ao fundo. Fantástico.

Rio Anil em Taíba, na Rota das Emoções
Rio Anil e o mar, ao fundo
 As barracas estavam fechadas, mas usamos as redes e a sombrinha delas pra descansar e curtir o lugar. A beleza dali é incansável.
Voltamos pra Fortaleza a tempo de mais um pôr do Sol. Dessa  vez, na ponte da Praia de Iracema com vista para a Ponte dos Ingleses e para o navio Mara Hope.
A entrega do carro, na locadora, foi um pouco complicada, pois eles deram o carro com o tanque vazio e nós devolvemos com  o tanque praticamente cheio e queríamos o  valor da gasolina que ficaria no tanque e não seria utilizada por nós. No fim, ficou a lição: aluguel de carro só com o tanque cheio.

Águas Belas

O dia amanheceu encoberto. No nordeste, sempre amanhece assim e depois o sol aparece, mas dessa vez não teve jeito: fechou o tempo e choveu bastante. Já era esperado, afinal maio é o fim do inverno, como é chamado o período de chuvas, em todo nordeste. Resolvemos passear mesmo assim.
Contratamos um translado na Agência Enseada, daqueles que ficam na orla do Meireles. Viajar com pacotes não é muito do nosso estilo, mas é o que sai mais barato pra conhecer as praias próximas a Fortaleza.
Fomos pra Águas Belas, uma praia pertencente ao município de Cascavel, distante 60km da capital e que ainda tem na pesca sua principal atividade econômica. O turismo tem conquistado espaço  com a chegada das agências de turismo, após a praia ter aparecido numa reportagem da Globo. Bom pra dar emprego a pobre população local, mas ruim pela destruição causada pelos turistas predatórios, que destroem tudo por onde passam, deixando mais sujeira do que dinheiro.
Chegamos na praia e só havia um restaurante na orla,o receptivo da agência. Os  buggueiros nos recepcionaram com um jingle do passeio de buggy, oferecido por eles. Bem ridículo.
Resolvemos fugir daquela muvuca e caminhamos pela praia. Após uns 500m de caminhada, chegamos no encontro do Rio Mal-cozinhado com o mar. O lugar é lindo, mesmo com o céu cinza.

Águas Belas na Rota das Emoções
Encontro do Rio Mal-cozinhado com o mar



Águas Belas, na Rota das Emoções


Caminhamos pelo lugar e descobrimos uma pousada, bem do lado do rio, que também tinha serviço de restaurante. Decidimos ficar por lá e, apesar da comida não ser muito boa, ficamos mais sossegados, longe da confusão, além do visual lindo da desembocadura do rio. De lá, observamos a chegada de vários pescadores, que vinham fazer pesca de tarrafa, na maré baixa. Fiquei encantada com um rapaz, acompanhado de duas crianças, que ficavam atrás dele e comemoravam a cada peixe, que ele pescava. Torço para que o turismo de massa que está se iniciando lá não acabe com a paz dessas pessoas simples.
Nativo em Águas Belas, na Rota das Emoções
Pescador de Águas Belas

Rota das Emoções

Voltamos pro restaurante da agência e estava uma bagunça: música alta (e ruim), barulho, gente pra todos os lados. Fiquei feliz de ter fugido de lá. Só nos reunimos ao resto do grupo na hora de entrar no ônibus de volta pra casa.

Mais de Fortaleza

Último dia em Fortaleza e decidimos descansar um pouco. Acordamos tarde e fomos andar no centro da cidade.
Caminhamos pelas ruas movimentadas e cheias de casas de produtos típicos. Entramos na catedral e eu a achei bem bonita com seus vitrais coloridos. Aproveitamos o ventinho que corria lá dentro pra sentar e amenizar um pouco o calor. No mercado central, comemos tapioca e cajuína. Ainda passamos no Museu do Ceará, que achei bem interessante. Fizemos ainda uma visita guiada a Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção. Um guia ruim e um passeio que não agregou muito.
Por fim, sentamos no café do passeio público e descansamos um pouco.
Mercado Municipal de Fortaleza, na Rota das Emoções
Mercado Municipal visto da Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção
No dia seguinte, começaria nossa viagem pra valer: iríamos pra Jericoacoara.

Mais fotos:

Mucuripe, em Fortaleza na Rota das Emoções
Mucuripe

Pôr do Sol na Ponte dos Ingleses, em Fortaleza, na Rota das Emoções
Ponte dos Ingleses

Piscina natural em Taína, na Rota das Emoções
Piscina natural, em Taíba

Porto das Jangadas em Taíba, na Rota das Emoções
Porto das jangadas, em Taíba

Taíba, na Rota das Emoções
Taíba

Águas Belas, em Taíba
Águas Belas

Nenhum comentário:

Postar um comentário