domingo, 18 de janeiro de 2015

Pelo Paraná: a Lapa e seu cerco

Centro Histórico da cidade da Lapa, no Paraná

Não, o título desse post não é sobre o famoso bairro boêmio carioca, nem sobre o distrito paulistano. Eu escreverei, na verdade, sobre um dos mais charmosos lugares que conhecemos em nossa viagem de fim de ano: a encantadora Lapa. Distante apenas 62km da capital paranaense, a pequena cidade tem pouco mais de 40 mil habitantes e apresenta um preservado centro histórico com casarios antigos e vários museus que contam a história que marcou pra sempre seus moradores: o Cerco da Lapa, importante momento na construção da nossa República, como contarei a seguir.

O Cerco da Lapa

Era o ano de 1891 e nem todos os brasileiros estavam satisfeitos com a Proclamação da República, ocorrida dois anos anos. A insatisfação era ainda maior na região sul do país e no Rio Grande do Sul surge o exército dos maragatos, como eram conhecidos os federalistas, que defendiam maior autonomia da província sobre a recém instituída república e eram liderados pelo federalista Gaspar da Silveira Martins. Era o início da Revolução Federalista, que durou dois anos e teve grande força no país. Vendo a República ameaçada, Julio de Castilhos monta, então, um exército que ficou conhecido como pica-pau, com o intuito de defender a legalidade, ou a República.

Casario da Lapa, cidade histórica paranaense
Um dos casarios bem preservados da Lapa

Entre 1893 e 1895 ocorreram várias batalhas sangrentas e vorazes entre os dois exércitos e os maragatos conseguiram avançar com suas tropas por importantes cidades entre Rio Grande e Paraná. A vitória dos federalistas demorou, mas começou a ser configurada após o famoso episódio do Cerco da Lapa, onde os pica-paus liderados pelo Coronel Gomes Carneiro resistiram bravamente por 26 dias e, apesar de derrotados, causaram grande prejuízo aos maragatos, que foram perdendo força e se entregaram na batalha final da revolução, chamado Combate do Campo Osório. O episódio do Cerco da Lapa fortaleceu a República e deu fama à pequena e brava cidade, que sem dúvida alguma teve papel de destaque nesse momento de nossa história.

Estátua do Coronel Gomes Carneiro, herói do Cerco da Lapa, no Paraná
Estátua do Coronel Gomes Carneiro, herói da Lapa

Ao chegarmos à Lapa, nosso primeiro ponto de parada foi justamente para assistir a essa história  que acabo de relatar, num vídeo apresentado no Centro de Atendimento ao Turista da cidade. Todo o turismo da cidade é entorno do episódio do Cerco e podemos visitar os principais locais das batalhas e dos acontecimentos da ocasião. O Coronel Gomes Carneiro tem um papel de destaque e ganhou um busto na praça, além de ouvirmos falar dele em todos os museus da cidade.

Centro Histórico da Lapa

Depois de entrarmos no clima da cidade, era a hora de conhecer os museus e ver de perto como se deu esse Cerco. Começamos a empreitada visitando o Theatro São João, onde o único médico da cidade atendia os feridos nas batalhas. Um túnel no seu interior dava passagem à casa ao lado, onde o Coronel Gomes Carneiro ficou após ser atingido mortalmente em combate. Através do túnel, o médico tinha acesso ao camarote do coronel sem que precisasse sair a rua, já que ninguém podia saber do ferimento do líder dos pica-paus.
O Theatro funciona até hoje com um cheiro forte de poeira e madeira, o que dá mais ainda a sensação de estarmos voltando ao passado. Apresenta uma estrutura interna toda em madeira e, apesar de pequeno, é bem peculiar e já recebeu figuras importante, como o Imperador Dom Pedro II.

Theatro SãoJoão, no Centro histórico da Lapa, no Paraná.
Theatro São João

Interior do Theatro São João, na cidade paranaense da Lapa.
Interior do teatro

Aproveitamos que estávamos ao lado da casa onde ficou o famoso herói da cidade para ir até lá conhecer o lugar. É uma casa simples e é possível ver sua alcova e alguns de seus pertences.  Acabei não fotografando ali, mas o lugar valeu a visita.

Outro ponto importante para a cidade dentro desse contexto histórico é o Panteon dos Heróis, construído em 1944 para guardar os restos mortais dos combatentes dos pica-paus que participaram do cerco. Não chegamos a entrar no panteon, que estava fechado, mas conseguimos passear no seu entorno que é bem bonito e agradável. É curioso pensar nessa relação que a cidade construiu com esse episódio, que parece ser o centro de tudo que se pensa e se vive por lá. Há uma intensa sensação de orgulho dos lapeanos por nascerem na cidade e um patriotismo que me parece ao mesmo tempo ingênuo e genuíno.

Panteon dos Heróis do Cerco da Lapa, no interior do Paraná
Panteon dos Heróis

Mas, apesar de toda essa carga histórica, o que mais gostamos na cidade foi de caminhar por suas ruas de paralelepípedos entre seus belos casarios, quase todos muito bem preservados. A temperatura amena da cidade em pleno Sol de janeiro deu ainda mais prazer de estarmos ali. Foi uma tarde muito agradável.

Centro Histórico da Lapa paranaense
Caminhando pelo preservado centro histórico

Centro histórico da Lapa, no interior do Paraná.

Centro histórico da Lapa, no interior do Paraná.

Um dos pontos altos da cidade é a Praça General Carneiro com suas frondosas árvores que convidam à fruição. É em seu entorno que se encontram os principais pontos de interesse da cidade: os museus, a Igreja e os famosos bustos do coronel. Passamos bastante tempo por ali e o Thiago tocou seu violão, atraindo a atenção dos bebuns da cidade, que logo se juntaram à nós de forma um tanto quanto inusitada, já que um deles tentou tocar o violão e chorou nos contando sua triste história de vida. Foi, no mínimo, curioso e divertido.

Centro histórico da Lapa, no interior do Paraná.
A deliciosa praça da cidade enfeitada pro Natal

Aliás, a Igreja da Matriz ali localizada é a construção mais antiga da cidade, datada de 1784. É um edifício simples, mas bem bonito. Pena que estava fechada e não conseguimos conhecer seu interior.

Igreja da Matriz no Centro Histórico da Lapa, no Paraná.
Igreja da Matriz

Igreja da Matriz no Centro Histórico da Lapa, no Paraná.
Construção mais antiga da cidade, inaugurada em 1784

Outra igreja bem importante da cidade é o Santuário de São Benedito, localizada um pouco mais distante do centro histórico, mas de grande importância para seus fiéis, já que guarda uma primitiva imagem desse santo.

Santuário de São Benedito no Centro Histórico da Lapa, no Paraná.
Santuário de São Benedito

Mas nosso lugar preferido na Lapa foi mesmo a alameda principal da cidade, toda arborizada e com um delicioso passeio público, onde caminhamos à tarde e à noite, já que nossa pousada ficava por ali.

Passeio Público na Lapa paranaense

Gostamos tanto da Lapa que resolvemos pernoitar por lá e qual não foi nossa surpresa ao descobrir que a pequena cidade dorme cedo. Verdadeiramente cedo. Tivemos dificuldade de encontrar lugar para jantar e por volta das 22h já não se via vivalma na rua.

Lapa durante a noite
A Lapa dorme cedo

Lapa, no Paraná, durante a noite

Foi na manhã seguinte que tivemos uma das mais gratas surpresas da viagem: na mesa do café-da-manhã conhecemos um simpático casal de Blumenau com quem travamos imediata amizade e conversamos por longas horas. Eles nos deram muitas dicas da região e nos sugeriram conhecer o mosteiro que fica numa cidade próxima da Lapa e foi pra lá que seguimos após nos despedirmos dos novos amigos e da encantadora cidade.

Mosteiro Trapista Nossa Senhora do Novo Mundo

Com pouco menos de uma hora de viagem, chegamos ao Mosteiro Trapista Nossa Senhora do Novo Mundo, na cidade de Campo do Tenente, bem próxima da Lapa. Numa propriedade rural, cercada de plantações de trigo e de lindos pássaros, o mosteiro traz imediata sensação de paz. Aproveitamos a passagem por lá para participar de suas orações em canto gregoriano (que obviamente não fotografamos em respeito aos monges) e que muito me emocionaram. Além disso, compramos mel e bolos fabricados pelos próprios monges. Só ficamos tristes de não haver ali a fabricação de nenhuma cervejinha trapistas ao modo belga, mas mesmo assim nos encantamos com o lugar.

Mosteiro Trapista Nossa Senhora do Novo Mundo
Mosteiro Trapista Nossa Senhora do Novo Mundo

Gostamos tanto de lá que o Thiago cometeu o ato-falho de esquecer nossa mochila na capela só para podermos voltar lá novamente, depois de já estarmos na estrada.

A Lapa foi uma dessas descobertas deliciosas que fazem a pena sair pelo mundo sem rumo só pra ser surpreendido e pra descobrirmos que há muito mais coisas a serem descobertas do que imagina nossa vã filosofia.


Ainda sobre o mesmo roteiro:



Nenhum comentário:

Postar um comentário