terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Majete e a vida selvagem no Malauí

Majete Game Reserve, no Malaui

Com tantos problemas sociais e econômicos, preservação ambiental não é a prioridade no Malaui. Muito pelo contrário, boa parte da população consome os recursos naturais para sua própria sobrevivência. Poucos são as Reservas e Parques do país, sendo um dos maiores deles o Majete Game Reserve, criado em 2003 com ajuda de fundos internacionais no intuito de preservar a savana e os animais que habitam nesse ecossistema. Para isso, o parque foi todo cercado e várias espécies, antes erradicadas na região, foram reintroduzidas para re-adaptação e reequilíbrio do ecossistema. O resultado é um oásis para os bichos que podem aqui viver em paz e sem os riscos da caça predatória e da escassez de recursos.

Majete Game Reserve, no Malaui
Rio Shire, savana e montanhas, paisagem comum no Malaui

O Majete fica no Vale do Shire, que tem esse nome por ser cortado pelo rio homônimo. O Shire é o maior e principal rio do Malaui, sendo a única saída fluvial do Lago Malaui e desembocando do Rio Zambezi, em Moçambique, ao longo de 402 km de extensão, onde ele banha e dá vida não só a inúmeras espécies animais e vegetais, como também garante a subsistências de tantas e tantas pessoas que vivem às suas margens, fugindo dos rigores da Savana Africana.

Majete Game Reserve, no Malaui
O Rio Shire e um elefantinho faceiro! 🐘

Para uma pessoa que, como eu, nunca fez um safari na vida, o Majete é um ótimo aperitivo. Digo isso, porque não dá pra considerar o passeio aqui como um safari mesmo, já que o parque é relativamente pequeno e não tem todas as espécies que normalmente se encontra nesses grandes parques. Por isso, o nome que se dá ao roteiro que se faz aqui é game driver, que pode ser facilmente entendido como um mini-safari. O bom é que o preço é mais camarada e as possibilidades de ver alguns animais são maiores, já que os bichos estão mais concentrados. Mas é claro que, depois da minha experiência no Majete, fiquei tentada a experimentar aventuras maiores, como esses safaris que duram vários dias, nos grandes parques africanos.

Majete Game Reserve, no Malaui
Mãe e filhotinho! 🐒

O Game Driver no Majete

O passeio pelo Majete dura algo em torno de duas ou três horas e é feito numa caminhonete aberta, o que torna tudo ainda mais emocionante, já que a sensação de proximidade com os bichos é ainda maior. Fui no início do período de chuvas, quando o nível do rio ainda estava baixo e, em tese, deveria ter facilitado o encontro dos animais, já que eles ficam mais concentrados nas poucas áreas alagadas do parque. Mas a bem da verdade é que fomos já com o Sol forte e quente e não vimos tantos bichos como gostaríamos, inclusive o leão, que eu tanto queria ver. Segundo nos informou nosso guia, os melhores horários são ao nascer e ao pôr do Sol, quando o calor é menos intenso e eles costumam estar menos intocados. 

Majete Game Reserve, no Malaui
Oi! 🐵

Mas, mesmo assim, vimos uma variedade enorme de bichos, desde macaquinhos fofos até o simpaticíssimo elefante, que passou por nós sem dar mínima para nossa presença, como eu registrei na foto que abre esse post.

Majete Game Reserve, no Malaui
Quem está mais curioso: eu ou eles? 🙈 

Majete Game Reserve, no Malaui
Plantação de hipopótamo!

Mas não foi só a fauna do Majete que me encantou. A paisagem da savana com as típicas paisagens das montanhas, tão comuns no Malaui compõe o visual de um jeito único e belíssimo. 

Majete Game Reserve, no Malaui
Paisagem comum no Majete
A visita ao Majete foi minha primeira experiência nesse tipo de passeio e só serviu para aumentar minha vontade de conhecer ainda mais da Savana e suas maravilhas. Tenho certeza que minhas aventuras pela África apenas começaram.



6 comentários:

  1. Ana, a paisagem encanta, me passa tanta serenidade! Achei bela, até poética.
    Jura que o elefante não deu a mínima? Madonna mia! Gostei da imagem dos hipopótamos.
    Olhe, aproveito agora, para te desejar as festas mais felizes, com saúde e alegrias. Deixo um beijinho e um forte abraço e um até breve...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, desejo o mesmo para você e sua família! Foi ótimo ter sua companhia aqui no blog ao longo desse ano! Que venha 2017! :)
      Um forte e caloroso abraço

      Excluir
  2. Uma imagem mais linda que a outra,
    É um previlégio poder ver bem de perto.
    Bom começo de mês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! De perto é ainda mais lindo!
      Bom fevereiro pra todos nós! :)
      Um abraço

      Excluir
  3. Ana, teve mais sorte do que eu em Angola, onde os bichos que vi de mais perto foram as girafas (essas sim, perfeitamente a borrifar-se para a nossa presença). Os elefantes fugiram a sete pés e os gnus, ímpalas e afins idem aspas aspas. Não havia zebras, ou hipopótamos. Portanto, o seu foi um aperitivo e tanto.
    África enfeitiça qualquer um e acho que vc também foi apanhada.
    Beijinho
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ruthia querida, voltei completamente enfeitiçada por África! Preciso agora voltar com o Thiago, porque sem ele nada me parece completo! rs
      Beijinhos

      Excluir