terça-feira, 2 de maio de 2017

Córdoba, o centro da Al-andaluz

Antigo minarete da Mesquita

Por algum motivo desconhecido pra mim, não gostei de quase nenhuma foto que fiz em Córdoba, o que é uma tremenda injustiça, já que a cidade é toda charmosa e fotogênica. Mas não estava inspirada pra fotografar durante os dias que passamos por lá e as fotos desse post não mostrarão o que vimos ao vivo. Mas a vida é assim mesmo e espero que as palavras compensem as fotos ruins, porque Córdoba merece ser lembrada com as mais belas imagens, por toda a carga de história que carrega em suas pontes e casarões.


Córdoba, na Andaluzia
Janela mudéjar, típica da influência moura em Córdoba

Quando da invasão da Península Ibérica pelos mouros, no século XIII, Córdoba se tornou a sede do Califado de Córdoba, o centro que controlava todo o domínio muçulmano na região, que ia desde o norte da África até quase o que hoje conhecemos como a França. Não é pouca coisa e essa história de poder marcou cada pedra que construiu a cidade, que já chegou a ser uma das mais povoadas do mundo.

A Mesquita de Córdoba

Sem dúvida, o lugar que mais marca a cidade e que atrai todos os olhares é a famosa Mesquita de Córdoba, que junto com a Alhambra de Granada são as maiores heranças mouras que existem no Ocidente. O curioso da história desse lugar é que sua construção se deu a partir da singela Basílica de San Vicente Mártir, portanto, com origem cristã. Com a Invasão Moura, se iniciou a ampliação e reestruturação do lugar, que virou a majestosa Mesquita e que com o início da Reconquista da Península Ibérica voltou a mãos católicas para se transformar na Catedral, como a conhecemos hoje. 

Mesquita de Córdoba, na Andaluzia
Mesquita de Córdoba

Pouca ou nenhuma característica da antiga Basílica foi preservada, quando da construção da Mesquita, mas o mesmo não se pode dizer sobre a transição para a Catedral, que mantém hoje muitas características mouras na arquitetura e mesmo na estrutura religiosa, que é justamente o que faz desse lugar tão especial. Essa, aliás, é uma bendita exceção dentro do período da Reconquista, já que esse período se marcou por intensas destruições dos marcos muçulmanos de então. Sorte nossa, que hoje podemos admirar todo o esplendor de um dos períodos mais marcantes da história da Andaluzia e de todo o sul da Europa. 

Mesquita de Córdoba, na Andaluzia


Entrar na Mesquita é como passar por um portal pra outro mundo. O bosque de colunas com as famosas características mouras circulares e as fachas em vermelho. A harmonia e simetria das colunas é algo impressionante e foi justamente essa repetição das colunas e listras que me fez sentir tão encantada e até um pouco aturdida. Eu, que já não tenho um senso de direção muito bom, me perdi várias vezes lá dentro, achando que estava num lugar, quando na verdade estava em outro e até mesmo pra ir embora, senti dificuldade de achar a saída e estava indo pro lado oposto, quando o Thiago me perguntou onde eu ia e me apontou o lado certo pra sair. 

Mesquita de Córdoba, na Andaluzia
Cúpula do Mihrab, lugar que aponta Meca

Córdoba além da Mesquita

Mas Córdoba é muito mais que só a atual Catedral. Basta uma caminhada despretenciosa pela antiga medina, hoje repleta de charmosos casarões com os pátios mais lindos e bem cuidados que já vi na vida. Aliás, foi aqui que ficamos na mais bela hospedagem de toda a viagem, já que conseguimos ficar num desses casarões e nos encantamos com o quarto, a casa e, claro seu pátio com azulejos trabalhados em motivos mouros.

Córdoba, na Andaluzia
Pátio da "nossa" casa em Córdoba


Córdoba, na Andaluzia

Caminhar pelas ruas de Córdoba é uma delícia. As casas são todas muito bem cuidadas, quase todas com flores em suas fachadas e a sensação é que cada detalhe é pensado para agradar os olhos.
Talvez, o mais encantador cantinho seja mesmo a Judería, o antigo bairro dos judeus, onde o cuidado com a estática parece ser ainda maior.

Juderia de Córdoba, na Andaluzia
Zoco Municipal, o mercado de artesanato na Juderia

Juderia de Córdoba, na Andaluzia
Pelas ruas da Juderia
Aproveitamos nossa estadia na cidade para conhecer o Museu do Flamenco, que fica noutra casa linda e que me inspirou a escrever sobre nossa experiência com o flamenco em vários lugares que passamos na Andaluzia, neste post aqui.

Córdoba, na Andaluzia
Museu do Flamenco

E definitivamente não há como terminar um dia em Córdoba sem um saboroso passeio pelas margens do Rio Guadalquivir, o maior da Andaluzia e que banha também a famosa Sevilha. Em sua antiga Ponte Romana, construída no século II a.c. há sempre muito movimento de moradores, turistas, artistas de rua e curiosos. 

Córdoba, na Andaluzia
Ponte Romana e a Mesquita de Córdoba, ao fundo

Passamos dias deliciosos em Córdoba, incluindo dois dias de chuva intensa, curtindo uma umidade que muito nos agradou, depois da secura que passamos no Marrocos e depois ainda pegamos dias de Sol lindos, com fins de tarde como esse da foto abaixo. Guardarei em minha memória as lembranças que não consegui registrar em fotos de uma cidade florida, amigável e imponente.

Córdoba, na Andaluzia
Fim de tarde no Rio Guadalquivir
(vista da Ponte Romana)

Não posso terminar esse post sem indicar, mais uma vez, o belíssimo post da Fragata Surprise, da queridíssima Cynthia Campos que muito nos inspirou na viagem pela Andaluzia e escreveu dois posts fabulosos sobre a cidade: um só sobre a Mesquita e outro sobre as atrações que mais ela gostou na cidade.


3 comentários:

  1. Essa mesquita é sensacional. E as fotos estão, sim, muito boas.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. O sul de Espanha, com a preponderante herança árabe, é um mundo à parte, onde há sempre algo a descobrir.
    Excelente crónica!
    (As fotos estão más?!? Olhe que não, Ana Christ)

    Um bom final de semana :)

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana que cidade mais charmosa!
    Lindo.
    Boa continuação de semana.

    ResponderExcluir