sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Pomerode e a Rota do Enxaimel

Rota do Enxaimel de Pomerode

Pomerode é considerada a cidade mais alemã do Brasil. Fama curiosa, pois nem os próprios imigrantes que fundaram a pequena cidade catarinense se consideravam alemães, já que sua região de origem, a Pomerânia, localizava-se entre Alemanha e Polônia, de forma que seus habitantes possuíam cultura e idioma próprios. A distância aumentou ainda mais depois da II Guerra Mundial, quando parte da Pomerânia foi anexada à Polônia e a região foi repartida em duas.
Mas, apesar de não se considerarem alemães, a verdade é que os imigrantes trouxeram em sua bagagem a arquitetura típica do país e é essa característica a que marca Pomerode, já que as casas foram preservadas e hoje podemos conhecê-las, num passeio pela região rural da cidade, conhecido como Rota do Enxaimel.
Foi justamente esse o nosso destino no último dia do ano, em nossa viagem sem rumo pelo Sul do país e que relato a seguir.

O enxaimel é uma técnica de construção, que se caracteriza por ter como estrutura principal toras de madeira, que são montadas em hastes encaixadas entre si em posições verticais, horizontais e inclinadas. Os espaços entre as madeiras são preenchidos com tijolo ou pedra e as hastes ficam aparentes. O nome enxaimel vem justamente desse preenchimento, já que em alemão a palavra significa enchimento. Além disso, os telhados apresentam grande inclinação para se adaptar às condições climáticas dos locais onde era utilizado. Esse é um estilo famoso na Alemanha (apesar de não ter se originado lá) e em todos os locais de colonização alemã.

Enxaimel de Pomerode
Típica casa em estilo enxaimel

Pela Rota do Enxaimel de Pomerode

Pomerode é a cidade fora da Alemanha com maior número de exemplares dessas casinhas charmosas, justamente pela preocupação de seus moradores em preservar sua cultura e tradição. Algumas poucas se localizam no centro da cidade, mas a maioria está ao longo da zona rural e foi atrás delas que seguimos numa agradável manhã, do último dia do ano.


Enxaimel de Pomerode
Enxaimel de Pomerode

Inicialmente, nós não estávamos entendendo o que era o tal enxaimel. Dirigimos pelas ruas do bucólico bairro do Testo Alto, sem saber direito o que procurávamos. Foi quando paramos e fomos estudar sobre o enxaimel. Ao entender exatamente o que procurávamos, começamos a ver as casinhas por todos os lados e nos divertimos numa caça às casas com as tais estruturas de madeira. Perdi as contas de quantas vimos, mas sabemos que naquela região há, pelo menos, cinquenta casas em enxaimel. Na cidade inteira, o número oficial é de 240.

Enxaimel de Pomerode
Madeiras que estruturam a construção

A maioria dessas casas ainda é utilizada como moradia e é curioso ver a antenas de TV a cabo, ou enfeites de Natal pendurados  naquelas estruturas antigas. Foi até estranho para fotografar, já que em muitas situações a sensação era de que estávamos invadindo a privacidade das famílias que ali moram. Creio que eles já devam estar acostumados com a curiosidade dos turistas, mas mesmo assim não consegui fotografar casas com pessoas na varanda, ou na janela. Talvez, esse seja um excesso de pudor meu, mas penso que o turismo não pode em hipótese alguma estar acima do direito dos habitantes locais.

Enxaimel de Pomerode
Lindo jardim em Pomerode

Terminamos o passeio, almoçando num restaurante típico de comida alemã, que tinha como maior atrativo ser construído em enxaimel, mas a verdade é que o atendimento e a comida do local ficaram a desejar. A moça que nos recepcionou foi até indelicada ao nos perguntar o que queríamos ali. Ora, pensei eu, estou num restaurante para o que? Ficamos nos questionando se o fato do Thiago ser negro tenha interferido na forma como fomos tratados e preferimos acreditar que tenha sido apenas falta de treinamento da recepcionista. Mas a verdade é que em toda a viagem foi lá o único local que não nos receberam bem, então não temos o que reclamar quanto a isso.

Apesar do almoço ruim, a manhã em Pomerode foi bastante agradável e nos fez entrar um pouco mais da história da imigração européia no Brasil, que marcou tão fortemente essa região do país.


Ainda sobre o mesmo roteiro:



Nenhum comentário:

Postar um comentário